domingo, janeiro 18, 2015

Dois poemas de Mateus Mattos

Zhu Dequn
Verbum

No princípio era o Verbo,
e o Verbo estava com Deus,
e o Verbo era Deus,
o Verbo é ligação,
o Verbo é, simplesmente,
na sua intransitividade
faz-se Senhor sobre todas as coisas,
não havendo necessidade da primeira pessoa do singular,
mas na sua transitividade ama,
ama até mesmo o que se pensa intransitivo,
o que busca, em sua vida, uma oração sem Verbo,
mas como será possível?,
a oração fala do Verbo,
vã é a busca por desoralizar a vida,
mas há vida para aquele que busca O Verbo,
que quando diz haja,
é precedido de houve.



Cento e dezesseis

Ele subverteu meu grunhido
e fez música,
tirou meus olhos da morte,
firmou meus passos,
sem saída estava o meu coração
e constante peso o sufocava,
mas Ele foi meu porto seguro,
da constante tristeza dos dias,
fez festa,
Ele colocou as vírgulas nos lugares certos,
parecia eu caminhar para o sul de Borges,
mas Ele…
mais Ele,
Ele mostrou um amor inexplicável,
eu estava,
agora sou

Visite o blog do autor: http://mateuspmatos.tumblr.com/

terça-feira, janeiro 13, 2015

Dois poemas de Joanyr de Oliveira


O VENCEDOR
Naquela noite em BH, quando o Espírito de Deus
visitou-me de modo memorável,
eu — quase cego — tinha as pontas dos dedos
nas tensas cordas
de uma harpa de vento.

Eu tateava imperiosas trevas
com idade de séculos e milênios...
A Deus clamei, ante as janelas apagadas
a negar-me as paisagens e rostos.
Tudo estava brumoso, mas — como sempre —
a fulgurância divina é que triunfa — e ela veio
e de leve beijou-me a ferida retina.
O Sol de Deus fez-me ver — e conferir—
quem é mesmo sobre todas as coisas,
quem é mesmo de todos o maior
nos céus e na Terra...

AUTO-EXEGESE
O poeta é assim: vai construindo.

Material leve e sem corpo
brota dos canteiros do pensamento.

Moeda não é preciso, nem estudo
de viabilidade. Tudo é viável.
Uma pedra amanhece flor ou pássaro,
o vôo, um sopro de silêncios.
Um féretro matinal pode ser
nada estático ou enfático -
mas compor tênue mancha
a brincar nos ombros da paisagem.

O poeta é assim: surpreende e cala-se. 
Vai abrindo subterrâneos 
nas carnes do nada. Percorre-se 
mesmo enraizado a grutas e argilas. 
(Vem sempre uma criança de luz 
na mãos que navegam o poema.)

O poeta é assim: ninguém lhe traduz 
o rosto a equilibrar o infinito.
Bebendo as veias do mundo,
mastiga as metáforas verdes
e as que se abrem ao beijo da solidão.

Só os anjos amam seu instável idioma. 
O poeta é assim...

Curta a página dedicada ao poeta no Facebook:

quinta-feira, janeiro 08, 2015

Eu Sou Léia, poema de Myrtes Mathias

Léia e Raquel, tela do pintor e poeta Dante Gabriel Rossetti

Eu sou Léia, 
a pretendida, não cortejada,
não amada como minha irmã.
Assim pensava
até o dia em que o Senhor meu pranto contemplou,
minhas lágrimas no silêncio conheceu,
um filho me deu.
Em relação ao amor, nada aconteceu
que pudesse ser notado na rotina
de minha vida.
Mas aqui dentro do coração, se fez a luz
e o que então me parecia cruz,
transformou-se num singular jogo de amor,
como um segredo que me faz sorrir
e cantar baixinho, quase num murmúrio,
mas tão doce que se algum ouvido estranho o escutar,
pensará:
lá está Léia, a mal-amada,
embalando o filho, com o seu eterno canto de ninar.
 Porque, de repente, Deus-Que-Vê
dá-me um novo ponto de vista
 uma nova dimensão das circunstancias, da situação,
do meu próprio destino
por que hei de andar chorando, com medo do que
possa acontecer?
com medo de ser comparada e perder,
cheia de ciúme e frustração?
Por que não aproveitar os momentos
em que comigo está o pai de meus filhos?
Este homem tão cheio de fraquezas
que vai ser transformado num pai de multidões?
Nesse grande destino que lhe está prometido,
sou parceira, principal, mãe de seus filhos,
que lhe darão netos, bisnetos,
mil gerações, que atravessarão a História,
com a mais linda história de amor de Deus.
Este Deus que hoje me visita, me ilumina,
renova meu entendimento,
transformando todo ressentimento num hino de amor,
não de conformação, mas de aceitação com alegria
do quinhão que a vida reservou pra mim.
Quando Jacó chegar, talvez nem possa notar,
mas de meus olhos sem brilho,
uma nova luz há de jorrar.
Luz que vem aqui de dentro, como uma fonte
de amor e gratidão,
pelo meu quinhão,
pelo meu quinhão:
não tão amada, mas a primeira,
não procurada, mas a verdadeira,
porque o Senhor, que vê, e “tem misericórdia
de quem quer ter misericórdia”,
se apiedou de mim, alegrou minha alma,
me faz cantar assim.
Dentro da limitação que me é imposta,
serei livre e espontânea no meu amor.
Não procurei em outro lugar consolo
não dividirei com outros o meu segredo.
Pensem de mim o que quiserem, falem o que lhes aprouver,
sintam até pena de mim:
não sabem que eu sou feliz, muito feliz.
Engrandecido seja o nome do Senhor,
que coloca em meu coração tal espécie de amor,
que se externa em mansidão, bondade, brandura,
simpatia, compreensão:
- Olha para mim, Jacó,
só há amor dentro de mim e uma eterna gratidão.
Tudo mais foi esquecido:
és meu marido, deste-me filhos,
sou mãe em Israel.
Um dia, os que de nós procederam hão de herdar
a terra prometida que mana leite e mel.
E nisso há um doce envolvimento,
um companheirismo que ninguém pode desfazer,
uma cumplicidade santa, que me encanta e me faz cantar.
E me faz livre para deixar livre o amor sempre escondido,
com medo de ser rejeitada e me machucar.
Mas em mim, agora, há o Espírito de Deus,
e “onde há o Espírito, há liberdade”.
Coloco nas mãos de Deus o meu agora.
Passa por Suas mãos o meu amor
e Ele o santifica, o faz lindo.
Me faz linda. Que o mesmo aconteça diante de ti.
Foi-se o temor. Aleluia!
Viverei intensamente cada instante de proximidade.
Não tenho mais medo de ser envolvida, de me envolver.
Nas mãos do Senhor está o meu destino, minha vida.
Coube-me este quinhão:
embalar teus filhos, cuidar deles,
são minha riqueza, minha herança, minha companhia.
Se não fosse por ti não poderia,
escrever essa canção, sentir esta alegria.
Não tenhas remorso, não sintas medo, não desvies o olhar.
Sou feliz. Sou agradecida.
Participo da vida, como vencedora.
Deus atentou para mim. Abriu-se o entendimento,
mostrou-me o quanto sou abençoada:
nunca mais deixarei que me julguem mal-amada.
Cessou o pranto. Sou rica, sou feliz e canto,
enquanto espero e descanso no Senhor.
Este é o meu hoje, o meu agora.
O que virá depois, hora após hora,
está nas mãos de Deus, o Senhor que cuida de mim.
Cuida de nós.

Amém!

terça-feira, dezembro 16, 2014

Dois poemas de Aldeídes Oliveira Camarinha


APELO AMAZÔNICO

És tu Amazônia de densas florestas, dos grandes rios, do ferro, do caboclo e dos índios Makuxi, Tiriyó e Aparaí; do manganês na costa Amapá ao ouro no Sul do Pará, que Cristo tem pressa em salvar.
 Bem antes de te tornares a "cobiça internacional", Cristo já te queria para a glória celestial.

Aos amazônidas de todos os Estados, de todas as idades, todas as raças e de todos os credos;
 Vinde ouvi e aceitai o convite do Filho do Pai!
Vinde a Ele todos os cansados e tereis consolos reais e, a Ele também glória dai!

De Roraima e Rondônia, do Acre ao antigo norte Goiás, tomai conhecimento que em Cristo salvação terás.
 Sabei que desde a implantação dos grandes projetos, como é o caso da ALBRÁS e Carajás, Cristo já preparou e enviou alguém para ali pregar a paz.

Desperta Amazônia de homens bravios!
 Despertem em suas cabanas à beira dos rios,
 em suas mansões alcatifadas, casas, casebres e latadas;
Cristo quer te dar segurança, ele quer dar-te uma nova morada! Vem pescador artesanal, deixa o anzol e o arpão; garimpeiros,  em suas jazidas Jesus está dizendo: dá-me filho o teu coração!

Do Oiapoque ao Mato Grosso nenhum ministro de Deus, jamais mediu esforço, com o suor no rosto e a Bíblia na mão, eles estão falando, eles estão pregando a todos por amor a Cristo,
  a mensagem de salvação.

Oh! Tu amazônico, agropecuaristas, empresários, políticos, colonos, iletrados e diaristas, não adormeçam.
 Como também não esqueçam que necessário é conhecer a Cristo, para que em espírito cresçam.

Vem! Tu que estudas, tu que convives e também destróis a mais rica fauna e a mais bela e renomada flora!
 Vens, tu do Acre, Maranhão, Pará e Amapá; Cristo está de braços aberto dizendo: Vem! Eu quero te salvar!



SER MULHER CRISTÃ
Adaptação*

Ser Mulher Cristã.
É ter vida transformada, e mente renovada,
É lutar em oração por causas perdidas e saí vencedora,
é estar em oração antes do ontem e depois de amanhã,
é desconhecer a palavra recompensa apesar dos seus atos.
Mulher cristã tem dúvidas, mas caminha cheia de fé e certezas,
É correr atrás das nuvens num dia de sol,
É pela fé alcançar o sol num dia de chuva.
Ser mulher cristã é chorar de alegria e sorrir de tristezas,
É cancelar sonhos, para abençoar sua família,
É aquela que deseja esperar quando ninguém mais espera.
Ser mulher cristã é identificar um sorriso triste e uma lágrima falsa,
É afastar-se das línguas maldizentes e das mentirosas
É ter certeza que foi enganada e sempre dar mais uma chance a quem a enganou.
Ser mulher cristã é cair no fundo do poço e emergir com  Cristo,
É aquela que estar em quase mil lugares de uma só vez, estando somente num;
É fazer mil papéis ao mesmo tempo,
É aquela que da cozinha responde a quem está no quarto, na sala e na varanda.
É muitas vezes ser forte e fingir que é frágil para ver a união no seu lar.
Ser mulher cristã é ter um vocabulário decente, é explicar coisas comuns com a Bíblia;
É ser capaz de em todas as áreas, instruir os filhos com parábolas da Bíblia;
É está disposta, mesmo estando indisposta, a distribuir emoções a amigos e aos irmãos.
É muitas vezes distribuir amor, sufocando outros sentimentos,
É aquela que não constrói castelos na areia, mas em Cristo;
Mulher Cristã reconhece Jesus Cristo como a melhor rocha para firmes construções,
Ela ensina seus filhos o caminho a seguir sempre, sempre pensando no porvir.
Mulher cristã perdoa ao seu perseguidor, ainda estando no meio da perseguição.
É aquela mulher que, pela fé não desiste de recuperar o irrecuperável,
Ela tem sentimentos para entender,  quem ninguém entendeu;
Pelo poder da oração ela desvenda o que ninguém conseguiu desvendar;
A Mulher cristã estende a mão àquele ainda não pediu.
No lar, ela é boa multiplicadora e exímia na divisão,
Ela doa o que não lhe pediram, porque entende o coração do necessitado;
é uma mulher ciente que:  “a mão que embala o berço, é a mesma mão rege o mundo”!
Ela é aquela que chora na despedida e no reencontro,
Ela acredita na transformação do homem convertido a Cristo,
Ela AMA e emite o perdão,
Ela é aquela que sabe esperar por um novo recomeço,
Ela sabe a hora de bater em retirada, quando não se chegam à razão.
Mulher cristã é firme, porque Jesus Cristo é o centro de suas emoções e das suas ações.


( Esta poesia foi adaptada de  uma poesia recebida via internet com o título: ser mulher) 

terça-feira, dezembro 09, 2014

Dois poemas de Antônio de Campos Gonçalves


Ensina de fato

No livro por excelência,
chamado Bíblia Sagrada,
o que tem preeminência
é a verdade revelada.
Verdade, lição divina,
que a todos, de fato, ensina,
sem receios, sem temor;
verdade que o mundo sente
ser verdade diferente,
ser verdade do Senhor.
Do Senhor, mensagem pura,
mensagem de salvação;
para todos, porventura,
divina revelação.
Este livro de que falo
comigo devo levá-lo,
para o ler e praticar;
mas a todos recomendo:
procurem ficar sabendo
o quanto lhes pode dar.
O livro ensina de fato,
põe balizas para o bem;
é divino o seu relato,
igual nenhum livro tem.
O livro, pois, revelado,
para todos registrado,
todos devem conhecer;
a Bíblia, o livro divino,
singular no seu ensino,
é de todos, tem de ser.


A Bíblia Sagrada
Este livro, quando o leio
Este livro, quando o leio
não é simples devaneio,
passatempo, ou distração;
a leitura que lhe faço
é constante, passo a passo,
mas em busca de lição.

As lições que o livro encerra
têm mensagens não de terra,
têm mensagens, sim, de Deus;
são lições do amor divino,
que balizam meu destino
e joeiram planos meus.

Tê-lo em mãos e na cabeça
é mui fácil que aconteça,
muitos sabem ser assim;
contudo o valor de fato
é sentir o seu relato,
tê-lo mesmo dentro em mim.

Tê-lo comigo, estimado,
serenamente estudado,
consultado com amor;
pois tenho nele a verdade,
a soberana vontade,
a vontade do Senhor.

Bem sei: a Bíblia Sagrada
é verdade revelada,
é mensagem singular;
é meu livro diferente
que repete para o crente:
com Jesus procure estar.

Com a Bíblia, que perdura,
antevejo, por ventura,
o meu ditoso porvir;
devo, pois, sereno e atento,
no divino ensinamento
confioso prosseguir.

In Revista Visão Missionária

quinta-feira, dezembro 04, 2014

A Bíblia, poema de Artur Menezes


A Bíblia
Como te quero, minha Bíblia amada
e te admiro no esplendor da luz
que irradias ao contar a história,
cheia de lances, de renúncia e glória
do mui querido Salvador Jesus.
És o refúgio que vislumbro logo.
Sinto as proezas e os ardis nefastos
do inimigo de minh’alma, e então
cinjo-te ao peito e com tremente mão,
abro tuas páginas que absorvo em haustos…
És a amiga, a companheira dócil,
o guia, o manto, o relicário meu…
O refrigério, néctar dessedente,
o fino orvalho que refresca a mente,
a conselheira que o Senhor me deu.
Tudo que sou aos teus ensinos devo,
tudo que faço é inspirado em ti;
se toscanejo, vens beijar-me a fronte;
em minha vida és o meu santo monte
lá onde esqueço quanto já sofri…
Em Ti, Jesus, ó Mestre amado e puro,
está presente do princípio ao fim,
em cada história, profecia ou canto,
do Salvador se descortina o manto…
Quedo sorrindo por te ver assim.
Ó minha amiga, minha Bíblia amada,
à tumba almejo te levar um dia
quando da morte já sentir o efeito
e for levado ao seu profundo leito,
desejo sigas minha companhia.
Ao ressurgir no chamamento santo,
rompendo o manto, sem da morte o véu,
te abraçarei contra meu peito em luz,
te mostrarei ao meu Senhor Jesus
e subiremos – tu comigo – ao céu.
 Do livro Flores d’Alma (1960)


quinta-feira, novembro 27, 2014

Equidade, poema de Samuel Maschio

Equidade
Desigualdade
desequilíbrio de uma sociedade
Equidade
harmonia de uma comunidade
Dignidade
a revolução da verdade
O Pai e o Filho
Unidade
Eu e o outro
Irmandade
Igualdade em seu pleito
Amigo da justiça
Entre nós venha o teu Reino
– Poema escrito em homenagem ao 9º Encontro RENAS

quinta-feira, novembro 20, 2014

Três poemas de Hêzaro Viana Belo


Lágrimas 
A primeira gota caiu Nos primeiros instantes de vida Deixando o ventre materno Para as mãos de um médico Ao primeiro respirar
Quando ainda era uma criança O brinquedo quebrou, o maninho bateu, A saudade do colo da mãe
Pouco tempo depois um amor foi embora A decepção com o fracasso na escola Um filme romântico Uma música lenta São momentos nos quais sempre uma lágrima rola
E a maturidade não inibe a sensibilidade Na verdade a faz aflorar Um novo amor que chegou O anel que recebeu O dia do enlace com que sonhou
E novas gotas rolaram Molhando os braços que embalaram O pequeno fruto do amor
Lágrimas passadas, lágrimas sofridas Lágrimas de amor e emoção Purificaram a alma Fizeram bem ao coração
Lágrimas voltarão a rolar E contarão histórias vividas Um dia não mais existirão Pois Deus as enxugará Mas enquanto o coração pulsar Lágrimas farão parte da vida

Pedacinho do céu

Nossa casa,
Nosso ninho
Repleto de amor
E felicidade
Se estou dentro sou feliz
Feliz distante,
Mas com saudade
Nossa casa,
Nosso ninho
Lar
Quanta paz aqui sobre nós recai
Vinda de Deus
Paz que nos satisfaz
Nossa casa,
Nosso ninho
Um mundo de carinho
Onde podemos desfrutar
O melhor que Deus nos dá
Bênção mais doce que o mel
Nossa casa, nosso lar
Um pedacinho do céu



Porque tenho você
Para minha esposa Kelly Cristine Gusmão Belo
Porque tenho você Meu sorriso é mais largo Meus olhos brilham como nunca E meu coração salta de prazer
Porque tenho você Me sinto como criança destemida Meus temores desaparecem E meus sonhos podem se realizar
Porque tenho você Vejo beleza quando o dia está cinza Vejo calmaria mesmo enquanto a tempestade não se finda Vejo que o sol, vencendo as nuvens, vem me aquecer
Porque tenho você Eu creio em milagres Creio que o mar se abre Ou que sobre as águas eu poderei andar
Porque tenho você Sei que lágrimas fazem parte da vida E que após uma noite maldormida A alegria virá ao amanhecer
Porque tenho você Amo a fúria do mar A singeleza da flor E a brisa que e faz balançar
Porque tenho você Meus olhos veem o impossível E onde parecia não haver um caminho Agora juntos podemos caminhar
Porque tenho você Conheço o amor Vivo o amor
E na eternidade Sei que ainda vou lhe pertencer Porque tenho você

sábado, novembro 15, 2014

Novo livro de J.T.Parreira: No Máximo, Seis Versos - Poemas Breves, Bíblicos & Outros


De todas as chamadas nove artes, é na Poesia que mais justificadamente se pode asseverar que menos é mais. A concisão, a precisão do corte e do entalhe, só fazem amplificar o poder comunicante do texto, só podem elevá-lo.

       Nos versos aqui coligidos, versos irmanados pela brevidade, João Tomaz Parreira dá vazão ao seu caudal de metáforas condensadas, à tessitura precisa, que em seu rigor vezes lembra o Hermetismo italiano no que ele tinha de melhor, a explosão/maximização das cargas expressivas do poema ao nível microscópico. E em tal labor engendra a quase perfeição poética, como neste fulgurante A Tentação, onde o Cristo jejuante é tentado no deserto pelo Adversário, que lhe oferece as nações da terra:

Na ponta do precipício, no gume
do ar,  nos seus olhos Ele guardou
antes o azul do que os reinos
ao fundo do mundo.

       E assim sucedem-se, ao longo de todo este breve volume, as pequenas cápsulas de alumbramento, lances minimalistas de poesia não apenas cristã mas variada em sua temática, em suas cores, porém fulcralmente uma poesia imantada, que aponta de maneira indelével para o norte, para o Cordeiro.

       A boa poesia é como a alta culinária, onde a pequena porção concentra uma profusão de surpreendentes sabores, um buquê de amoráveis aromas que podem fascinar até no prato (e tema) mais prosaico. É assim a poesia de JTP: culinária d’alma, capaz de envolver, satisfazer e elevar os paladares mais exigentes e experimentados.

A todos os leitores, bon appetit!

Sammis Reachers, editor

Para baixar o livro pelo site 4Shared, CLIQUE AQUI.
Para baixar (ou ler online) o livro pelo site Scribd, CLIQUE AQUI.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...